Minha Vida Como Um Filme – O Negócio “Real”

Com a quebra de uma alma, o meu desejo de dividir em duas partes: Galgalta ve Eynaim e AHP; eu então começo a perceber uma das partes, como o mundo exterior. Ele funciona como um mecanismo fotográfico em que sinto esses desejos dentro de mim, mas me parece que eles estão fora de mim e eu os vejo invertido, como em um espelho. O mundo inteiro está dentro de mim. O que eu vejo agora é a manifestação do próximo registro de informações, uma (reminiscência) do Reshimo  que eu sinto em todas as cinco partes do meu desejo. Não há mais nada além disso.

A cada momento novos Reshimot despertam e provoca novas sensações nos meus desejos, fazendo-me ver um outro mundo. Nada acontece para além do presente processo.

Minha vida e minha realidade são realmente o Reshimot que se veste como eu e se manifestam através de mim. Os impactos da Luz  em mim e os  meus desejos, fazem correr o Reshimot através de meus desejos como deslizando ao longo de uma cadeia, ou como um rolo de um filme que está sendo exibido pelo projetor.

Eu assisto ao filme e sinto que é minha vida, mas eu realmente a vivo? Se eu voltar para trás 20, 30 ou 40 anos, eu acredito que foi eu quem vivi naquela época? Olhando para trás, parece que eu estava assistindo a um filme. Minha vida era antes um filme que simplesmente “fluiu” através de mim. Muitas pessoas concordam que há uma sensação de que sua vida era apenas um sonho.

Não era a minha vida, ela desapareceu como um sonho. Eu não agi sozinho, e eu não fiz nada. Um raio de luz brilhou, um filme jogado, e eu só o assisti como um espectador e agi de acordo com o meu papel de ator. Tudo o que havia era o Reshimot, a Luz, e meu desejo de estar satisfeito.

Toda Reshimot que corre através de mim do meu desejo se divide em duas partes – interior e exterior. Portanto, dentro deste filme, sinto todos os tipos de coisas fora de mim, como as árvores, o sol, a lua, e as pessoas. Eu dei à luz a filhos e trabalhava. Mas essa divisão da minha realidade em duas partes foi feita somente para criar a sensação de que há algo fora de mim, era a fim de permitir-me a sensação que existe uma outra força – o Criador. E ao fazer isso, eu fui forçado a procurá-lo. Conectando-se à realidade exterior a minha, aí eu alcanço o Criador.

Comente