A Intenção Correta Para a Leitura Do Zohar

Antes de lermos o Livro do Zohar, temos que visar um objetivo. Todos os ciclos de vida anteriores pelos quais passamos estavam nos desenvolvendo no plano material, onde nós estávamos fechados dentro de nós mesmos.

Nós só aspiravamos a aumentar a nossa vontade interna de ter prazer, tentando realizá-la tanto quanto possível. Nós experimentamos uma conexão com os outros, apenas para usá-los para a nossa auto-gratificação.

Este processo de desenvolvimento, eventualmente, nos trouxe a um ponto onde nós esgotamos todas as possibilidades de realizações. Isso causou um sentimento de desilusão nas nossas tentativas de perfeição ou sentir prazer dessa maneira. Nós sabemos que não podemos alcançar uma vida perfeita e eterna, mesmo que nosso desejo de desenvolver cada vez mais esperasse por isso.

Nós sentimos que não há mais nada para nós fazermos com essa aspiração incessante de auto-gratificação. Mas de repente, juntamente com a decepção desta vida, nós revelamos o ponto no coração – um desejo de encontrar a resposta para a questão de como é possível atingir essa sensação de uma vida perfeita e eterna. Este desejo nos leva ao externo, em vez de interno, longe do lugar onde a gente sempre tentou encontrar a realização da perfeição da vida.

“Externo” significa mudar sua atitude em relação às outras pessoas, embora você só vai perceber isso muito mais tarde. Você sempre aspirou a usar o seu próximo, a fim de se realizar, mas agora você tem que entender que não há outras oportunidades, além de mudar sua atitude em relação ao seu próximo da recepção para a doação.

Doando ao seu próximo, você adquire uma nova vontade – o desejo das outras pessoas (que estão realmente dentro de você) e descobrirá que são seus também, pois eles são as vontades da tua alma. Se você conseguir se conectar corretamente a elas, então todos esses desejos se tornarão seus. Eles serão o seu vaso de percepção (o Kli).

Mas isso é realmente possível? Na verdade, nunca seria possível se nós tentássemos conceber isso na nossa cabeça. No entanto, isso é o que temos que realizar, a fim de adquirir o sentido de perceber o mundo espiritual.

O universo espiritual está além do teu corpo. É a sua atitude em para com que está “fora de ti”. Neste momento, parece inexistente, irreal e inatingível. Você rejeita esses desejos, que estão “além de você.” Você não pode imaginar que eles te pertencem, e, portanto, você não pode imaginar o que o mundo espiritual é.

Você não pode sequer supor que, quando você atingir esses desejos, internamente, sentirá uma realização denominada “o Criador”. Enquanto isso, no entanto, parecem inexistentes ou em branco para você.

Esta cegueira impede você de sentir que o mundo espiritual é composto por aqueles “estranhos” desejos que estão fora de você. Agora mesmo você percebe a sua atitude de recepção em relação a eles como “inferno.” Se você alterar sua intenção para doação então você vai sentir que você está no “céu”, porque você vai sentir tudo o que os satisfaz – e você desejará para todos que os cumpram também. Em outras palavras, você cria o inferno ou o céu mesmo, “fora” de você.

Portanto, no início do seu desenvolvimento espiritual, o criador traz você a um grupo cabalístico. No entanto, você não vê isso como sendo ótimo ou espiritual. Está escrito: “Toda pessoa julga os outros, na medida de suas próprias falhas.” Baal HaSulam explica no artigo “A ocultação do Criador e Revelação” que a sua atitude em relação aos outros determina o que você vai encontrar neles o vazio ou a realização, este mundo ou o mundo espiritual, e mesmo no mundo do Infinito.

Portanto, você tem que se convencer de que a espiritualidade está na sua atitude para tudo o que está além de você, que está além dos limites de seus desejos corpóreos. Está escrito: “A Shechiná mora fora do homem” (além da pele do homem ou da superfície, que remete para um desejo de animar o nível de Aviut Dalet – na pele de um animal).

Uma pessoa tem que realizar essa mudança interior com a ajuda externa  – o grupo, que lhe dará a sensação de direito, compreensão e confiança. O grupo irá convencê-lo do presente, porque o ambiente é capaz de nos convencer de nada. Essa é a nossa principal tarefa. É por isso que temos encontros de amigos, reuniões, congressos, e todos os tipos de eventos, eles permitem que qualquer pessoa a ser influenciada pelo ambiente certo, o que nos convence de que a espiritualidade é alcançada justamente por mudar a nossa atitude para com os outros.

Todo estudo da ciência da Cabala é destinado para nos ajudar a entender isso, estar convencido do mesmo, e para revelar a atitude certa de doação, até mesmo o amor, para com o próximo. Através desta atitude que revela, ainda, nosso verdadeiro eu – a nossa alma, ou mais exatamente, a nossa alma comum, Malchut do Infinito. Vamos revelar o Shechiná e a decisão do Criador de tudo em conjunto, como está escrito, “Ele e seu nome são Um.” Esta é a intenção que devemos ter ao ler o livro do Zohar.

Comente